18 de junho de 2017

Brinde



Que alegria
Alegria de sentir
Sentir o amor
Sorrir a favor
A favor da vida

Vida minha
Fé na vida
Seja como for
Acredito
A vida é linda


18 de julho de 2016

...

Hoje faz nove meses que meu pai partiu para o plano espiritual.

A saudade permanece. As lembranças vivem em cada canto...

E eu vou seguindo com o propósito de uma existência feliz aqui.           

Peço a Deus que coloque seus anjos para fortalecer e amparar minha família.


Amor eterno amor.


 
Na foto, da esquerda para direita: tia Cecé, irmã de meu pai, vovó paterna - Santinha, papai e minha mãe. Tia Cecé, vovó e papai já partiram.

16 de novembro de 2015

Pedro

Meu tesouro
Em toda parte
Até no "silêncio"
Docemente
Sinto o aroma teu

Guardo
Na minha memória
Tua doce companhia
Nas minhas lembranças
Teu sorriso, teu olhar

Em meus pensamentos
Vivo estás
Um coração de bondade
Lealdade e caráter
Da tua amizade, saudade

Foi-se um dia
Tua saúde
Os pulmões sentiram dor
Nos momentos finais
A paz te acompanhou

As almas
Para sempre vivem
Disse o anjo
Cheio de luz
Que ao Pai te levou

***

Com amor
Da tua filha
Que tanto te admirou
18 de outubro
Meu paizinho descansou




13 de março de 2015

Rios sem discurso

"Quando um rio corta, corta-se de vez
o discurso-rio de água que ele fazia;
cortado, a água se quebra em pedaços,
em poços de água, em água paralítica.
Em situação de poço, a água equivale
a uma palavra em situação dicionária:
isolada, estanque no poço dela mesma,
e porque assim estanque, estancada;
e mais: porque assim estancada, muda,
e muda porque com nenhuma comunica,
porque cortou-se a sintaxe desse rio,
o fio de água por que ele discorria.

O curso de um rio, seu discurso-rio,
chega raramente a se reatar de vez;
um rio precisa de muito fio de água
para refazer o fio antigo que o fez.
Salvo a grandiloquência de uma cheia
lhe impondo interina outra linguagem,
um rio precisa de muita água em fios
para que todos os poços se enfrasem:
se reatando, de um para outro poço,
em frases curtas, então frase e frase,
até a sentença-rio do discurso único
em que se tem voz a seca ele combate."

[João Cabral de Melo Neto]

12 de novembro de 2014

Djalma



Meu avô partiu...

Era madrugada 
Depois das esperanças que na vida se tem
E de tantas tempestades vividas
Chegou a dor e as lágrimas choradas
Ao ver partir meu querido avô materno
 
Na primeira luz, alva, ficou cinza
Partiu ao encontro de sua amada
Minha avó

No dia 07 de novembro de 2014 
Das cores, só as lembranças do meu avô
Na sua amada morada em Cajapió

Cheia de saudade...